REGAR PARA SALVAR O AMBIENTE

Setembro 2006

A eficiência do uso da água (Water Use Efficiency – WUE)
O valor económico do uso de água, é o principal parâmetro geralmente utilizado para a sua avaliação, de acordo com o Dr. Menachem Dinar, director agronómico da Netafim Europa.
Uma rega efectiva e correcta geralmente encontra-se associada à EFICIÊNCIA DO USO DA ÁGUA. Envolve a gestão óptima da água com o fim de impulsionar a produtividade agrícola e de melhorar a qualidade dos alimentos.

Setembro de 2006
Dr. Menachem Dinar, Netafim

menachem1

O uso eficiente da água é o desafio principal nas práticas agrícolas a nível mundial, onde os problemas da escassez de água, sua recolha e distribuição são generalizados.

Também a aplicação irracional da rega e o uso ineficiente de fertilizantes, pesticidas e outros químicos têm um efeito significativamente prejudicial no ambiente.

“Presentemente a agricultura está a sofrer mudanças significativas ao nível da rega inovadora, tecnologias de fertilização e experiência económica.

Estes elementos constituem uma plataforma vital para o sucesso agrícola e na prevenção da degradação ambiental”, apontou.

Sugere também várias formas de como a rega pode ser balanceada em linha com a protecção ambiental e a produção agrícola melhorada.

Em primeiro lugar, a rega ambiental está directamente ligada à redução da aplicação de pesticidas. O uso disseminado de químicos para o controlo de doenças, pestes e ervas daninhas é um factor inerente na agricultura. Mas, a limitação da sua utilização não deve de ser efectuada à custa da qualidade das colheitas ou da rentabilidade do agricultor.

Doenças das folhas e o crescimento de ervas daninhas são promovidas pela acumulação de água na superfície da folha, a humidade do ar e a humidade do solo.
Estes podem ser suprimidos, pela redução da folha molhada, através da aplicação da água por debaixo da folhagem e do controlo da humidade no solo numa área delimitada.

“A rega gota a gota controlada pelo sincronismo correcto e quantidades necessárias em volta da planta, irá impedir doenças das folhas e o crescimento de ervas daninhas, minimizando desse modo a dependência nos pesticidas”, afirma. A rega gota a gota em conjunto com a aplicação racional de pesticidas – utilizando a monitorização e modelos para a previsão do desenvolvimento de doenças – “é um factor substancial para minimizar os danos ambientais”.

Gestão de Nutrientes
Em segundo lugar a “nutrigation” – aplicação eficiente de nutrientes directamente na zona do sistema radicular – deverá ter em consideração ambas as necessidades das plantas e do ambiente.

A tendência para aumentar a produção agrícola e torná-la mais eficiente está directamente associada com a aplicação generalizada de uma variedade de fertilizantes.

streamline_02

Muitos países são sensíveis aos danos previsíveis do resultado do uso abusivo de fertilizantes, à sua acumulação no solo e nos aquíferos subterrâneos. Isto aplica-se de igual modo aos cultivos agrícolas em estufas e em campo aberto.

“Existem culturas, como a alface, onde os níveis de nitratos nas folhas são restringidos por agências alimentares, devido a preocupações com a saúde pública. Esta restrição aplica-se a quase todos os fertilizantes mas em particular aos fertilizantes azotados.

Várias formas de azoto, como os nitratos, amónia, ureia e azoto orgânico – facilmente lixiviados, podem chegar a fontes de água doce”, diz o Dr. Dinar.

Também neste caso, a prevenção da poluição ambiental requer a integração da rega gota a gota e conhecimentos agronómicos.

A previsão correcta das necessidades dos nitratos, a aplicação de azoto no sistema de rega e a sua aplicação precisa em volta do sistema radicular é essencial na prevenção da poluição causada pelo uso excessivo de fertilizantes em geral, e do azoto em particular. A monitorização das quantidades de água e níveis de azoto ao nível da raiz e por debaixo da mesma, permitirá um controlo balanceado do fertilizante e da quantidade de água.

Em terceiro lugar, a erosão do solo, o escorrimento superficial e subterrâneo, são fenómenos difundidos “mas são particularmente relevantes em declives acentuados. Aqui, a solução mais eficiente é a rega gota a gota de baixo caudal e baixo volume que pode fornecer água de modo a servir as capacidades de penetração do solo, e prevenir o escorrimento excessivo”, explicou o Dr. Dinar.

Conservação
Agora chega a questão da poupança de água. E refere que a rega ambiental é também aplicável em casos onde existe o uso impróprio de excesso de água para rega.

A rega gota a gota é extremamente económica porque integra baixa evaporação na superfície do solo, fornece as quantidades exactas de água à zona radicular activa e distribui-a uniformemente.

Adianta que a alta uniformidade da distribuição da água conseguida pela rega gota a gota pode prevenir a perda de até 30-40% de água quando comparada com a rega por alagamento e entre 10-20% quando comparada com a rega por aspersão.

streamline_01

“O benefício do fornecimento uniforme de água e fertilizantes é um aumento da produção e da qualidade das colheitas.”

Além disso, a rega com uma excessiva quantidade de água, envolve o uso também excessivo de energia, enquanto que a rega gota a gota tem necessidades baixas de uso de energia.

Outro aspecto da rega e protecção ambiental torna-se evidente no uso racional de água de baixa qualidade, em particular água salobra ou água reciclada.

Um sistema gota a gota que permite a utilização com sucesso de água de baixa qualidade para a agricultura, elimina a necessidade do seu tratamento – um processo dispendioso que requer grandes quantidades de energia.

A rega gota a gota também permite o uso extensivo de água tratada e residual de acordo com os padrões locais e/ou internacionais. A distribuição controlada das águas residuais previne a poluição do solo e das fontes de água, e o seu uso aumentou no seguimento do desenvolvimento de um sistema relativamente novo de rega gota a gota que está instalado debaixo da superfície do solo.

“Esta tecnologia de rega subterrânea pode ser uma solução óptima, em particular para águas residuais. Esta tecnologia que já está difundida e aplicada com sucesso, utiliza águas residuais para colheitas e permite aos municípios regar grandes áreas de espaços verdes. Este tópico seguramente irá assumir uma grande importância no futuro com a acrescida consciência ambiental”.

Em conclusão, Dr. Dinar sublinha que a rega ambiental integra preocupações agrícolas e ecológicas aos seus melhores níveis.

“Nos sistemas agrícolas de hoje em dia, os agricultores podem confiar em ferramentas e conhecimentos avançados para optimizar a aplicação de água. A escolha de um sistema de rega, efectivamente correcto, em parceria com o conhecimento agronómico é um componente crucial para atingir elevados ganhos e impedir a poluição ambiental”, conclui o Dr. Dinar.